Thursday, 20 October 2016

Good gas and bad governance

Progress is being made towards the much-hyped gas production but it's a long and twisting road towards tangible benefits 

The massive economic growth rate of 24% which the International Monetary Fund predicted is no more. That was the Fund's figure for 2021, when gas production had been expected to begin. However, on 4 October, after its recent mission to Maputo, it revised that figure down to just 6.8%. 
Map Copyright © Africa Confidential 2016
Amid an unfavourable global environment and a severe economic crisis at home, Mozambique faces delays, disheartened foreign investors and a weakened bargaining position vis-à-vis the oil companies. Compounding these problems, the extraordinarily wasteful management of state finances by the Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) leaves many observers sceptical that the government will really ensure that the gas benefits are shared out among the population. Almost 55% of people live below the poverty line, a figure that has not changed for over ten years despite impressive economic growth. 
The overall picture darkened further at the beginning of this month when the well regarded Mineral Resources and Energy Minister, Pedro Couto, was removed under the influence, we hear, of the Frelimo old guard. 
Delays to major gas projects in the Rovuma Basin mean that gas production is now expected to start in 2023 at the earliest. Final investment decisions are overdue and projects have been losing momentum, with the US company Anadarko, which controls the Area 1 block, having largely decamped as it waits out the tough times. Yet while Anadarko is still to finalise its agreements with off-takers, Italy's ENI (Ente Nazionale Idrocarburi), which controls the Area 4 block, took an important step towards production on 4 October when it signed a 20-year sale-and-purchase deal with BP. It means ENI has secured customers for the gas produced by its Coral South Floating Liquefied Natural Gas (FLNG) facility – predicted to produce over 3.3 million tons of LNG a year – and can then make its final investment decision later this year. 
With oil and gas prices currently low, BP has also got a good deal but it could mean lower revenue for the government during the period of the agreement. Taking into account the costs which the companies are entitled to recover and the project-related debt repayments to be made by the cash-strapped state petroleum company, the Empresa Nacional de Hidrocarbonetos, profits for the state will be negligible.
Revenue questions

Furthermore, ENI's FLNG project will inject little fresh investment overall into the heavily indebted country (AC Vol 57 No 10,
Secret security debts devastate economy). The FLNG is to be constructed abroad and the offshore facility, once operational, will have little impact on the local economy. Where government will see revenue is from profits and tax, which can be ploughed back into investment in development. These benefits will not be immediate, though. 
The biggest hope of making money from gas comes from the onshore LNG project managed by Anadarko. However, the company's activity has slowed considerably. After its country head, John Peffer, was relieved of his nine-year position in June, the company hired a new team to finalise sales of the gas, for which it has so far secured only non-binding agreements. John Bretz is now in charge.
During his visit to the USA from 14-17 September, President Filipe Nyusi tried to pressure Anadarko to start preliminary work on the onshore project, namely relocating the population of the Afungi Peninsula where the project is sited. This early work had been expected to bring in up to US$400 million, helping to relieve the severe shortage of foreign currency. Anadarko has, we hear, promised to begin the process but observers say it will start in the first quarter of 2017 at the earliest. The delay is due to disagreements, among other factors, between the government and the company over the LNG terminal, say sources close to the talks. The government wants to place a commercial port close to Anadarko's dockside facility in order to benefit from any ancillary spending by the oil company. The company objects because the presence of commercial vessels in the narrow channel that leads to the open sea would hinder the LNG operations. 
Minister Couto was not part of Nyusi's US delegation and was relieved of his post shortly after the visit. Some say he was 'too honest', for which he has a track record. His replacement, Leticia da Silva Klemens, has been greeted with disappointment. She is widely seen as lacking relevant experience and beholden to the interests around General Alberto Chipande and ex-President Armando Guebuza. The development is regarded as a victory for those in government who see themselves as entitled to personal benefits from the gas (AC Vol 57 No 6, Nyusi's resolve in doubt).

New players

Oil giant Exxon's purchase of a stake in ENI's Area 4 licence is an important development. Despite reaching a framework agreement this summer, there are still some points to be agreed, we hear from Ministry sources. Much uncertainty remains over this long-rumoured acquisition, with both Exxon and ENI remaining characteristically tight-lipped, but we understand the deal is effectively done. 
Rumours are rife about whether Exxon will also buy into Anadarko's Area 1 asset. Talks have taken place in Houston, Texas, site of Anadarko's headquarters, industry sources told Africa Confidential. Anadarko told the government during Nyusi's US visit that it was committed to staying but many are sceptical over whether it will be able to finance the project, especially with lenders wavering in the wake of the government's hidden debt scandal and the consequent economic damage. If Exxon takes a significant stake in ENI's Mozambique assets, that could have an impact on Anadarko's LNG project as ENI and Anadarko have been planning to work in partnership. A new partner may want to review the planning, resulting in further delays. 
The government gave its preliminary blessing to the sale of a stake in Area 4 to Exxon following the July visit by Exxon's Chief Executive Officer Rex Tillerson, when he met Nyusi in Maputo. There is much talk that Exxon will focus on ENI's onshore assets rather than the FLNG. To be able to split the block in this way, there would need to be a specific legal arrangement. Sources close to Exxon say that it wants to buy a stake in ENI East Africa, rather than the block the company leases, giving it greater flexibility. 
The capital gains tax that should arise from the Exxon-ENI deal is much anticipated, with figures as high as $1.3 billion circulating. The high figure presumes Exxon will buy both ENI and Anadarko's assets; $400 mn. looks more realistic. In 2013, when ENI sold a 20% stake in ENI East Africa to the China National Petroleum Corporation for $4.2 bn., the country received $400 mn. in taxes. Since then, the world price of gas has halved. 
Ironically, it was the promise of vast and easily obtainable riches from these large gas deposits that encouraged Guebuza's government to sanction the secret borrowing of $2 bn. for ill-planned, unrealistic projects. They have left the country saddled with additional debt equivalent to over 11% of gross domestic product. 
The conventional wisdom, which the IMF supports, has been that a country such as Mozambique should invest its gas revenue in projects that would help its economic development and provide immediate benefits to the population, rather than following the Norwegian model and saving up the profits. However, in a state so lacking in accountability and transparency, being told that billions of dollars will pour in and being given a green light to spend them has been a recipe for disaster. Political influence is key to commercial success in Mozambique and the government wanted to make sure it took its cut while it could. In doing so, it mortgaged the country at too high a price. Now it is realising that the gas will not be the golden ticket that it once imagined and its actions have set back the sector's development

Africa Confidential

Wednesday, 19 October 2016

Acidente de Mbuzini deveu-se a uma série de erros cometidos pela tripulação, João Cabrita

João Cabrita nasceu na Beira e, após a independência nacional, saiu do país, tendo vivido em Portugal, África do Sul e há mais de 30 anos vive na Suazilândia. Em 2005, aventurou-se na escrita, tendo lançado o livro “A Morte de Samora Machel”, que traz uma versão diferente da comum sobre a tragédia de Mbuzini

O que o levou a escrever sobre o assunto?
Este foi um acidente que se tornou num caso político e isso tornou o caso mais apaixonante e eu, por ter seguido todo aquele processo inicial da investigação, da polémica em torno do processo de investigação, nomeadamente, a forma como seriam extraídos os dados das caixas negras do avião e até a fase de elaboração do relatório, decidi que seria oportuno escrever sobre esse tema, uma vez que em Moçambique o tema nunca foi aprofundado. Falava-se sempre na questão de o acidente ter sido provocado por um aparelho falso, o chamado radiofarol“VOR” falso e falava-se também na implicação da África do Sul como causa fundamental deste acidente, mas não se aprofundava a questão dos factos desse acidente, factos esses apurados pelas três partes. Portanto, eu tive acesso ao relatório da comissão de inquérito sul-africana, que ao abrigo da Convenção de Chicago, que rege este tipo de acidentes, é o Estado de ocorrência do acidente que institui a comissão de inquérito e é esse Estado que publicou o relatório da Comissão de Inquérito. E tive acesso, também, ao Relatório Factual do Acidente, neste caso, foi um relatório unânime, assinado pelos três países e esse relatório, só por si, ilustra claramente o que se passou naquele voo do dia 19 de Outubro de 1986 e eu achei que esses pormenores, esses factos contidos no relatório, não eram de conhecimento geral em Moçambique.
E esses dois relatórios, o dos Factos e o da Comissão sul-africana de Inquérito, foram publicados um ano depois da tragédia de Mbuzini. Gostava que esclarecesse o que distingue um relatório do outro?

Ao abrigo da Convenção de Chicago, que também é conhecida como sendo a Convenção da ICAO, o Estado de ocorrência do acidente nomeia a comissão de inquérito e de acordo com a lei sul-africana da aviação, o Estado de ocorrência também nomeia uma equipa investigadora que vai ao terreno recolher todos os dados do acidente e é fundamental na elaboração desse inquérito o conteúdo das caixas negras. O relatório factual foi, portanto, compilado pelos investigadores de Moçambique, da União Soviética e da África do Sul. Foi um relatório unânime e que no final seria apresentado perante da comissão de Inquérito sul-africana. Ao abrigo da Convenção de Chicago, Moçambique, como país de registo da aeronave, tinha o direito de nomear observadores para estarem presentes durante a fase de inquirição propriamente dita; o mesmo direito aplicou-se à União Soviética, como país de fabrico da aeronave. Embora a Convenção de Chicago seja muito precisa nesse aspecto da nomeação de observadores, convém realçar que a Comissão de Inquérito sul-africana foi mais além dessa cláusula e conferiu ao Estado Moçambicano e à União Soviética o direito de não só nomearem observadores, como também apresentarem factos, de acarearem testemunhas perante essa comissão. Como é sabido, a União Soviética, no dia em que assinou o Relatório Factual, decidiu não participar nessa fase de inquirição; Moçambique, que inicialmente estava disposto a participar nessa fase de inquirição, acabou também por se retirar, posteriormente à decisão da União Soviética. De qualquer forma, a comissão de inquérito do país de ocorrência continuou com os trabalhos e publicou o relatório na versão preliminar, que foi enviado para Moçambique e para a União Soviética para que fizessem os comentários que achassem apropriados.
E este Relatório Factual visava trazer à superfície o que aconteceu, sob o ponto de vista prático, naquele voo…
Sim sim! Com recurso às caixas negras, uma das caixas negras é o gravador digital dos dados técnicos do voo. Com recurso a essa caixa negra reconstituiu-se toda a trajectória do voo, o comportamento do voo - o aspecto técnico. A outra caixa negra, que era o gravador da cabine de comando, permitiu extrair os últimos 30 minutos da conversa dentro da cabine e também outro elemento importante foi a gravação das comunicações entre a Torre de Controlo do Aeroporto de Maputo e o avião. Portanto, isso tudo foi integrado no Relatório Factual. Podemos considerar que isso, per si, dá uma importância maior a este relatório, até porque acabou por ser considerado no relatório da Comissão de Inquérito sul-africana. O que é que este Relatório Factual trouxe de relevante para o esclarecimento das causas do acidente de Mbuzini?
Tratando-se de um acidente eles foram detectar quais teriam sido as causas desse acidente e detectaram inúmeras falhas naquele dia, tanto no voo de partida de Maputo para Mbala, como de regresso de Mbala para Maputo. Entre as falhas que detectaram é que não foi feito o plano de voo de Mbala para Maputo – essa é uma questão obrigatória para qualquer voo. No voo de partida de Maputo para Mbala, o plano de voo foi feito cerca de 10 ou 15 minutos antes da hora de partida. Isso constitui uma violação do protocolo dos voos presidenciais em vigor na então República Popular de Moçambique, que dizia que o plano de voo de um voo presidencial devia ser feito com pelo menos 24 horas de antecedência pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros. Portanto, foi feito momentos antes da partida. No voo de regresso, que é importante, a primeira falha técnica que detectaram foi que o voo não tinha combustível regulamentar para aquele voo.
Em termos práticos significa que tinha combustível apenas para partir de Mbala para Maputo e não o suficiente para um trajecto de recurso, caso não fosse possível aterrar em Maputo?!
Exactamente isso. O regulamento da aviação civil diz que o avião tem de ter combustível para chegar ao aeroporto de destino e na eventualidade de surgir qualquer imprevisto, seja mau tempo ou motivos de segurança, o avião tem de ter combustível para desviar para o chamado aeroporto alternante e de acordo com o protocolo dos voos VIP em vigor na República Popular de Moçambique, a Beira era sempre o aeroporto alternante. O que a equipa investigadora constatou e a comissão de inquérito corroborou foi que o avião não dispunha de combustível suficiente para desviar para a Beira. Portanto, há uma expressão utilizada pelos investigadores de acidentes de viação que diz que “um acidente é sempre uma acumulação de erros”. O primeiro erro detectado aqui foi a questão do combustível, para além da falta do plano de voo e essa acumulação de erros, por vezes, tem um efeito de bola de neve e vão influenciar, como neste caso, a tripulação a cometer outro tipo de erros.
Outra questão que salta à vista é, se podemos considerar, uma negligência na comunicação entre o pessoal de cabine e a Torre de Controlo do Aeroporto de Maputo e até entre o pessoal de cabine, no momento em que já se fazia a descida por aproximação ao Aeroporto de Maputo. Estes elementos foram considerados importantes para o acidente?
As comunicações entre a Torre de Controlo de Maputo e o avião começaram por ser boas quando o avião entrou no espaço aéreo moçambicano, cerca das 21 horas de Moçambique. Eles forneceram indicações que deviam constar do plano de voo, como a hora de partida de Mbala e a previsão de chegada, o número de passageiros que levava a bordo e que a bordo ia o Número 1, que é o Presidente da República. A Torre de Controlo anotou e forneceu o Boletim Meteorológico ao avião, válido para aquela altura e também deu permissão para o avião iniciar a descida em direcção a Maputo, mas deixou claro: “desçam até aos 3 mil pés de altitude ou até quando tiverem as luzes da pista à vista”. Este é um procedimento normal, de rotina, faz parte das cartas de navegação. Portanto, decorreu tudo normal entre a Torre de Controlo e o avião, só mais tarde, quando surgiu uma complicação no momento da aproximação final é que houve uma certa dificuldade de compreensão entre ambas as partes sobre o que se passava naquele momento, nomeadamente, as dificuldades que a tripulação estava a ter para localizar a pista do aeroporto e que não foi bem entendido pela Torre de Controlo e isso gerou uma certa confusão. A dada altura a Torre de Controlo dá uma permissão para o avião aterrar numa pista que era oposta à aquele que tinha sido previamente planeada pelo comandante – queria fazer uma aterragem por aproximação directa à pista 23, que é a pista para quem, por exemplo, vem do Norte de Moçambique, é aquela que temos à nossa frente. E a dada altura a torre de controle dá autorização para o avião aterrar na pista cinco, portanto, do lado oposto e isso gera uma confusão e leva o comandante a perguntar “que pista é essa? Eu estou com a intenção de aterrar na pista 23.” - Está documentado também que oito minutos antes da hora prevista, o piloto faz um desvio do avião à direita, ao mesmo tempo que a tripulação recebia uma comunicação de um VOR, que é até aqui considerado um VOR falso. Esses elementos podem ter sido determinantes para que o avião saísse da rota do aeroporto de Maputo até despenhar-se em Mbuzini?
- As pessoas, às vezes, têm a ideia de que o avião é atraído por um VOR. O VOR existe, está lá, os pilotos, neste caso o comandante ou o co-piloto, sintonizam o VOR que pretendem seguir. Portanto, é por iniciativa dos pilotos que o avião segue em direcção ao VOR, não é que o avião seja atraído. E de facto essa volta prematura à direita foi oito minutos antes da hora prevista, o que levou o comandante a questionar a razão daquela volta, porque segundos antes o navegador tinha dito que “estamos a 100 km de Maputo”. Ora, a volta que o piloto tem de efectuar à direita, em direcção à pista, é feita à metade dessa distância, mais ou menos. E o navegador diz que “o VOR indica essa direcção”. Portanto, alguém dentro do avião sintonizou a frequência do VOR. É indiscutível que o avião se orientou por um VOR. Agora surge a questão do VOR falso, como acabou de referir. Isso é uma especulação porque não há indícios claros de que se tenha tratado de um VOR falso. A teoria do VOR falso avançado pela parte soviética é que era um VOR a transmitir na mesma frequência da estação VOR do aeroporto de Maputo, mas isso é uma pura especulação porque se o comandante do avião tivesse cumprido com os procedimentos regulamentares de uma descida, em que ele tem de fazer a reverificação das listas, nomeadamente, há uma lista que consta para a descida, há uma lista para a aproximação à pista, há uma lista para a aterragem, até ao momento em que o avião estaciona na placa da terminal. É todo um processo que tem que ser cumprido. O procedimento é feito em voz alta e fica gravado na caixa negra da cabine. O piloto pergunta, por exemplo, altímetro barométrico, pergunta receptor VOR número 1, número 2. O co-piloto que está sentado à direita do comandante olha para os instrumentos, verifica se aquela frequência é a pretendida para a aterragem no aeroporto de Maputo e diz em voz alta “verificado”. E mais: o co-piloto tem os auscultadores em sintonia com a estação VOR do aeroporto que regularmente está a transmitir o respectivo indicador.
Quando os investigadores foram fazer as escutas da gravação de cabine – uma das caixas negras – verificaram uma coisa muito simples: o comandante não cumpriu com esse regulamento obrigatório, de rotina, para qualquer voo, seja de dia ou de noite, faça sol ou chuva. Ele não verificou qual a frequência que estava seleccionada no receptor VOR do avião. O co-piloto, em vez de estar em sintonia com a estação VOR do aeroporto de Maputo para ouvir o indicador em código Morse, estava a escutar, desde as 21h00 até ao momento da colisão, às 21h25, hora de Moçambique, estava em sintonia com uma estação de rádio da União Soviética, através do rádio de alta frequência de bordo. Às 21h00 estava a transmitir noticiário, depois seguiu-se um programa musical. Tudo isso ficou gravado na caixa negra. Por isso é que eu digo que quando se fala da existência de um VOR falso, está-se a especular.
- Verdade, porém, é que há um VOR do aeroporto de Matsapa, na Suazilândia, que na altura tinha uma frequência próxima a do aeroporto de Maputo que foi sintonizado pela tribulação e que provavelmente tê-los-ia induzido a seguirem por uma rota diferente da do aeroporto de Maputo. Este elemento não configura o tal VOR falso?
- Essa é a opinião expressa pela comissão de inquérito sul-africana, também pela equipe investigadora sul-africana, quando eles detectaram a célebre frase “o VOR indica essa direcção”. Quando o investigador-chefe da parte sul-africana regressou à África do Sul, ele entregou a gravação e a transcrição e também a tradução aos laboratórios competentes da África do Sul para verificarem se estava tudo em condições. Foi nos laboratórios da África do Sul que se detectaram falhas na transcrição. Portanto, foi essa frase que eles detectaram e em conversa com as delegações dos três países, em discussões numa reunião, em Joanesburgo, em finais de Dezembro de 1986, a parte sul-africana disse “a última explicação que nós vemos para esta volta prematura à direita é que este voo sintonizou por engano ou então alguém, o piloto ou o co-piloto, por uma questão de orientação, sintonizou temporariamente a frequência do VOR de Matsapa para estabelecer a posição em que se encontrava” e como o sistema soviético da tripulação quem navega o avião é o navegador, quando foi seleccionada a frequência VOR no receptor, ou por engano, dada a proximidade das frequências entre Matsapa e Maputo (o VOR de Matsapa tem a frequência 112.3 MHz e o VOR de Maputo tem a frequência 112.7 MHz), portanto, a diferença decimal. Segundo a comissão de inquérito sul-africana os algarismos do alfabeto russo, o 3 e o 7, são muito semelhantes. Pode ser que devido à fraca iluminação dentro da cabine e também, devido ao facto de o receptor VOR não ser iluminado, que a pessoa que sintonizou a frequência ter feito o erro de seleccionar o decimal errado e o avião seguiu na direcção errada. Aqui, mais uma vez, a importância da verificação das listas que não foi feita. O navegador efectuou a manobra à direita – assim se prova porque o comandante perguntou “estamos a virar?”, quer dizer, ele virou sem a permissão do comandante.
- Há um outro momento bastante crítico, documentado no relatório da comissão de inquérito da África do Sul. É que durante a descida por aproximação, o pessoal de cabine estava envolvido numa conversa banal, em que até falava da divisão de Coca-cola e cerveja que traziam da Zâmbia… - Isso ficou gravado numa das caixas negras. Precisamente segundos depois do avião ter feito aquela volta prematura à direita, há uma fase de encomenda de bebidas para os tripulantes levarem para casa. Isso, numa fase crucial do voo, que exige que tudo que se discute dentro de uma cabine de voo seja apenas e somente, relacionado com os preparativos de uma descida, de uma aterragem. É o que na gíria da aviação é conhecido como “cabine estéril”.
Americanos não queriam colaborar nas investigações para não serem conotados
Logo após o acidente de Mbuzini, a África do Sul solicitou apoio da ICAO, da Inglaterra e dos Estados Unidos da América (EUA), através do departamento de investigação de acidentes de aviação. Entretanto, inicialmente, os EUA recusaram-se a fazer parte da investigação, tal como o fez a Inglaterra, o que abriu espaço para concluir-se que havia conspiração dos americanos.
- Qual é a explicação para essa decisão inicial dos EUA, mas que mais tarde viria mudar, ao integrarem a equipa de investigação?
- Tal como o disse na primeira edição do meu livro, eu interpretei a recusa dos Estados Unidos da América em prestar apoio/ajuda aos sul-africanos para fazer esta investigação, pelo facto de eles não quererem aparecer em público como estando a servir o regime do apartheid, que era um regime condenado, principalmente numa altura em que estava em marcha toda uma campanha a apontar o dedo à África do Sul como sendo o responsável deste acidente. - Mas figuras como Sérgio Vieira têm uma posição diferente dessa. No caso em particular, acredita na teoria de conspiração do Regime do Apartheid. Como analisa isso?
- A única leitura diplomática que o senhor Sérgio Vieira fez relacionada com essa posição dos Estados Unidos e da Inglaterra, em não prestar a colaboração pretendida pelos sul-africanos, é uma leitura precipitada. Como sabe, nos Estados Unidos existe uma Lei de Liberdade de Informação. Ao abrigo dessa lei e no âmbito dos preparativos para a segunda edição do meu livro, eu solicitei a divulgação de documentos do Departamento do Estado (norte-americano), cobrindo o período que vai de 20 de Outubro de 1986, portanto, o dia a seguir ao acidente, até Julho de 1987 que foi o mês que a comissão de inquérito divulgou o relatório final sobre o acidente. Da leitura que fiz desses documentos, posso concluir que o senhor Sérgio Vieira fez uma leitura precipitada. Não há nada nos documentos que indique uma conspiração dos Estados Unidos, como ele diz. Se bem que ele diga e frise que esse suposto envolvimento dos Estados Unidos e da Inglaterra no acidente de Mbuzini seja de forma indirecta. Isto é, segundo o senhor Sérgio Vieira, os Estados Unidos e até possivelmente a Inglaterra – ele não esclarece qual dos dois países fez isso – teria fornecido à África do Sul ou a Israel, o célebre aparelho que provocou o desvio do avião. Aqui há mais um caso de erro de palmatória, conhecido de qualquer investigador. O investigador tem de cumprir com uma regra fundamental, elementar, que é não permitir que a percepção que ele tem de uma determinada realidade interfira com os factos. O senhor Sérgio Vieira, antes de estar na posse dos factos já estava a tirar ilações precipitadas. A leitura diplomática que ele faz surgiu depois do embaixador americano, aqui em Maputo, e também o embaixador britânico, também em Maputo, terem abordado o Sr. Sérgio Vieira a informar que não estavam interessados em participar nas investigações. Segundo depreendo da leitura dos documentos, essa abordagem foi feita no dia 23 de Outubro de 1986. Acho extraordinário que o Senhor Sérgio Vieira, quatro dias depois do acidente, quando os factos do acidente, nomeadamente, os que estavam contidos nas caixas negras do avião, ainda não haviam, sequer, sido extraídos, nem sequer havia sido alcançado o acordo quanto à forma como seria feita a leitura dos dados dessas caixas negras. Ora, a leitura desses documentos fornece outra perspectiva sobre porque é que os Estados Unidos não quiseram inicialmente participar nessa investigação.
Mas no dia 25 de Outubro de 1986, a embaixada americana em Pretória enviou um telegrama ao Departamento de Estado a recomendar que os Estados Unidos deviam participar nas investigações já e imediatamente. E diz esse telegrama que “não devemos aguardar por mais tempo porque caso contrário a União Soviética irá viciar os dados do acidente e depois será difícil aos Estados Unidos provarem que não estão envolvidos neste caso”, porque este acidente, segundo o telegrama, “reúne todas as características de mais um caso de uma vítima do capitalismo e nós vamos ser acusados de ter provocado este acidente”. E, de facto, isso veio a acontecer. O jornal Notícias, em Maputo, publicou uma reportagem da agência de notícias Novosti em que abertamente implicava os Estados Unidos no acidente.
Face a essa recomendação feita pela Embaixada americana, em Pretória – que também tem o cuidado de dizer: “nós vamos participar nestas investigações não para servir os interesses da África do Sul, porque não devemos nada à África do Sul, mas para servir os nossos interesses” – num outro telegrama do dia 31 de Outubro, do Departamento do Estado, que decide iniciar diligências para uma participação nas investigações. O que é interessante é que um outro telegrama, do dia 19 de Novembro de 1986, portanto, já depois dos três países terem assinado o acordo, em Maputo, sobre a forma como seria feita a leitura das caixas negras, o secretário de Estado (norte-americano) envia um telegrama ao embaixador americano em Maputo, para informar o Governo moçambicano de que, em conformidade com um pedido formulado pelo Governo da República Popular de Moçambique, os Estados Unidos disponibilizam um investigador para participar nas investigações. E têm o cuidado de sempre realçar, aliás, é o aspecto dominante na posição dos americanos, que eles não querem aparecer como estando ao lado da África do Sul. Eles querem prestar ajuda aos três países.
Isto levanta uma questão: Será que o Sr. Sérgio Vieira, como membro da Comissão Nacional de Inquérito e membro do Governo da República Popular de Moçambique, à altura dos factos atrás referidos, não tinha conhecimento destas diligências do governo dos Estados Unidos? Eu também posso fazer uma leitura, se bem que não necessariamente diplomática: O Sr. Sérgio Vieira, ao omitir este ponto – eu chamaria a isto não uma omissão, mas uma ocultação de provas – o Sr. Sérgio Vieira pretende apenas dar consistência à tese do VOR falso que ele defende desde o princípio.

( O País )

Moçambique: Nova ministra dos Recursos Minerais em conflito de interesses

Sem experiência governativa, Letícia da Silva Klemens tem negócios que envolvem familiares dos antigos presidentes do país e de membros da FRELIMO, o partido no poder. Não tardaram a chegar críticas sobre a nomeação.
A nova ministra foi nomeada pelo Presidente moçambicano Filipe Nyusi, na segunda-feira (17.10). Até à data, Letícia da Silva Klemens era presidente da mesa da assembleia geral do maior banco e Moçambique, o Millennium BIM, e presidia também a Associação das Mulheres Empresárias e Empreendedoras Moçambicanas.
Desconhecida nos meandros da governação e da política do país, o nome de Letícia Klemens surge associado a várias empresas, algumas ligadas ao sector extrativo, em sociedade com familiares dos três anteriores Presidentes moçambicanos.
“Ela tem uma série de interesses empresariais com as três principais famílias que governaram este país”, por exemplo “com um parente próximo do antigo Presidente Guebuza, com um filho do antigo presidente Samora Machel e com parente do ex-Presidente Chissano. Então, a nomeação dela vem por causa de um lobby que tem alicerces no planalto maconde”, clarifica Luís Nhachote, do jornal moçambicano @Verdade.
Também Fátima Mimbire, investigadora do Centro de Integridade Pública de Moçambique (CIP), não tem dúvidas de que se trata de um caso de conflito de interesses, “pelo facto de [a ministra] ser uma figura que tem negócios a nível do sector extrativo”. “Acabo de verificar no Cadastro Mineiro que ela tem uma concessão mineira solicitada em 2015, cuja atribuição está pendente. O que significa claramente que sendo ministra e tendo um processo em tramitação, o risco dessa tramitação acontecer a favor é maior”, acrescenta Mimbire.
Preocupada com a promiscuidade entre o sector empresarial e a governação, Fátima Mimbire aponta o dedo ao Presidente da República, Filipe Nyusi. “Será que no processo de nomeação das pessoas para determinados cargos ele faz o trabalho de verificar até que ponto questões como a probidade pública estão satisfeitas ou não, até que ponto pode haver conflitos de interesses entre as funções que esta pessoa vai assumir e aquilo que é o cargo legal vigente?”, questiona-se a investigadora.
A Lei da Probidade Pública entrou em vigor em 2012. No entanto, também Celso Correia, ministro da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural, e Carlos Mesquita, ministro dos Transportes e Comunicações, mantêm, em paralelo, as suas atividades empresariais.
Interesses de quadros importantes da FRELIMO
A escolha de Letícia Klemens, com ligações a vários elementos do partido no poder, parece assim ter reunido o consenso de uma ala importante da FRELIMO.
“Claramente que não há-de ser necessariamente um consenso político-partidário abrangente, mas de um grupo dentro do partido, que é a parte mais influente e que, neste momento, tem grandes apetites para com os recursos minerais”, acredita a investigadora do CIP. Fátima Mimbire fala especificamente “do senhor Chipande, do senhor Guebuza, cujos filhos estão envolvidos nesse negócio. E sabemos que Chipande tem sido um ator bastante dominante nesta governação de Nyusi.”
Além das relações empresariais da ministra, Letícia Klemens tem sido também criticada por falta de experiência ao nível de governação. “Olhando para o sector extrativo, que é um sector bastante técnico, que exige o mínimo de conhecimento para poder discutir, negociar, dar orientações ao nível de fiscalização, negociação de contratos, tem de se estar à altura de comandar o pessoal todo que vai fazer esse trabalho. E não tendo essa experiencia, é bastante preocupante.”
Nova ministra afasta "estorvo"
A nova ministra dos Recursos Minerais e Energia de Moçambique substitui Pedro Couto, que vai presidir a Hidroelétrica de Cahora Bassa. “O antigo ministro era uma pessoa competente e intransigente em relação a uma série de esquemas", lembra Luís Nhachote.
"Temos uma série de multinacionais como a Anadarco, a Exxon, que têm interesses e o ministro estava claramente a tratar as coisas como elas devem ser tratadas. Foi afastado alguém que estava ali como um entrave para as pretensões do novo grupo económico que está a querer afirmar-se pela via do poder, como foi no anterior consulado", critica o jornalista do jornal @Verdade.
Em jeito de chacota, o currículo da ministra Letícia Klemens está a circular nas redes sociais, numa alusão à falta de experiência da nova ministra dos Recursos Minerais e Energia de Moçambique.

Negociações de paz em Moçambique retomadas após pausa de duas semanas

Maputo, 18 out (Lusa) - As negociações de paz em Moçambique entre o Governo e a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido de oposição, foram hoje retomadas em Maputo, após um interregno de duas semanas.
"Este foi apenas um primeiro encontro com uma das partes [a delegação da Renamo] e amanhã [quarta-feira] teremos o encontro com a outra parte [o Governo moçambicano]", disse à imprensa momentos após a reunião Mario Raffaelli, coordenador da equipa de mediação internacional, escusando-se a dar detalhes sobre o encontro de hoje, que durou menos de uma hora.
Após suspensão das negociações a 30 de setembro, proposta pelos mediadores internacionais para permitir às partes consultas e elaboração de propostas visando a superação do impasse que se verifica em torno da cessação dos confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança e o braço armado da Renamo, as conversações deviam ter sido reatadas a 10 de outubro.
O adiamento das negociações aconteceu depois do homicídio de Jeremias Pondeca, membro da delegação da Renamo no diálogo político e conselheiro de Estado, atingido a tiro na manhã de 08 de outubro, quando fazia exercícios físicos na praia da Costa do Sol, na marginal de Maputo
Na sessão de hoje, os mediadores internacionais e a delegação da Renamo observaram um minuto de silêncio em memória de Pondeca.
A morte de Pondeca, também conselheiro de Estado, segue-se a uma vários assassínios de membros da Renamo e da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo, partido no poder), sobretudo nas zonas onde se registam confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança e o braço armado do principal partido de oposição.
Além da exigência do maior partido de oposição de governar em seis províncias onde reivindica vitória eleitoral e a cessação imediata dos confrontos, a agenda do atual processo negocial integra a despartidarização das Forças de Defesa e Segurança, incluindo na polícia e nos serviços de informação do Estado, e o desarmamento do braço armado da Renamo e sua reintegração na vida civil.
A região centro e norte de Moçambique tem sido palco de confrontos entre o braço armado do principal partido de oposição e as Forças de Defesa e Segurança e denúncias mútuas de raptos e assassínios de dirigentes políticos das duas partes.
As autoridades moçambicanas acusam a Renamo de uma série de emboscadas nas estradas e ataques em localidades do centro e norte de Moçambique, atingindo postos policiais e também assaltos a instalações civis, como centros de saúde ou alvos económicos.
A Renamo acusa por sua vez as Forças de Defesa e Segurança de investidas militares contra posições do partido.

Tuesday, 18 October 2016

Os esquadrões da morte

Quando terminávamos o fim-de-semana passado, fomos colhidos pela notícia do assassinato de Jeremias Pondeca, membro do Conselho de Estado pela Renamo e chefe da delegação da Renamo na subcomissão criada nas negociações com vista à reforma legislativa para o fim do conflito.
Infelizmente estamos a institucionalizar uma patologia macabra, em que notícias de assassinatos de cidadãos a tiro já quase não nos causam um sentimento de perturbação. Passámos a conviver “nas calmas” com a barbárie.
E como estas mortes todas, que nos são servidas a frio diariamente, têm um cunho político, pois são diligentemente dirigidas a membros da oposição, mais concretamente aos da Renamo e a indivíduos catalogados como incómodos para o regime, a preocupação agora já não é a institucionalização da barbárie em si, mas é, sim, tentar adivinhar quem é o próximo?
Quanto a nós, sobre os esquadrões da morte está tudo dito. São o prolongamento do partido no poder, que actuam a partir do momento em que se esgota a capacidade de argumento do regime.
É uma espécie do prolongamento do G40. Se o G40 é a frente falante, os esquadrões da morte são a frente assassina. Mas todos têm o mesmo e único comando, e reservamo-nos o direito de supor que haja membros polivalentes, que actuam simultaneamente na frente falante e na frente assassina.
A forma como esses assassinatos são dirigidos não deixa margem para dúvidas de que estamos perante um trabalho do Estado (ou de “gangs” que dirigem o Estado) e com algum protocolo observado, que desagua nas habituais declarações da Polícia, que fecham a ordem de serviço afirmando que estão a trabalhar para identificar os autores.
Será redundante dizer que todos estes assassinatos têm cunho político e são a parte mórbida de uma estratégia de limpeza política com objectivos de enfraquecer o adversário. É o crime ao serviço da política.
A cronologia deste Estado de “gangsters” é bem visível. José Manuel, membro do Conselho de Defesa e Segurança indicado pela Renamo, foi assassinado nas mesmas circunstâncias. Antes foi Gilles Cistac. Primeiro foi insultado, e quando perceberam que os argumentos do constitucionalista moçambicano que deu cunho legal à exigência principal da Renamo eram irrebatíveis por via do insulto, decidiram assassiná-lo ali no seu café preferido, na Av. Eduardo Mondlane. Seguiu-se Manuel Bissopo, que só escapou porque foi confundido com os seus seguranças. O próprio Afonso Dhlakama escapou por duas vezes. Mas já haviam sido mortos Aly Jane, cujo corpo foi encontrado no Rio Nhanombe, e Américo Royal Boca, ambos assessores de Afonso Dhlakama. Um dos últimos foi Armindo Nkutche, delegado distrital da Renamo em Moatize e membro da Assembleia Provincial.
Jaime Macuane, conhecido analista político, e Carlos Jeque também foram vítimas do mesmo sindicato criminoso. Estes dois últimos foram poupados porque a ordem era só para deixar coxo.
Desta vez, foi Jeremias Pondeca, que estava a negociar a paz. A lista é bem longa, mas estes são os casos mais frescos e que nos vêm à memória, sem muito esforço.
É importante notar que Filipe Nyusi nunca se pronunciou sobre todos estes crimes e vive fingindo intenções genuínas de paz.
Não conhecemos nenhum país no mundo onde o seu presidente consente assassinatos selectivos, na almofada do silêncio cúmplice.
Se Nyusi é Presidente da República e comandante-em-chefe das Forças Armadas e se há um grupo de moçambicanos que está a ser literalmente limpado, deixando as suas famílias e organizações destruídas a todos os níveis, e se Nyusi continua calado sobre isso, das duas, uma: ou Nyusi comanda pessoalmente esse sindicato de assassinos, ou sofre de alguma perturbação de ordem psíquica de actuação, suficiente para assumir como sendo normal que os opositores políticos sejam mortos como animais em plena luz do dia e com requintes macabros.
Ou então estamos perante as duas situações concorrendo em paralelo sobre o mesmo indivíduo.
Mas tudo isto só vem comprovar a tese que defendemos aqui neste mesmo espaço há sete dias. Escrevemos que, pelo andar das coisas, o que motiva a Frelimo a aprofundar com afinco o programa da destruição é essa passividade colectiva deste povo, que vai aclamando os destruidores. Se a organização que está no poder perdeu a orientação e adoptou o roubo e a matança como seu programa, é porque descobriu que, com este povo, ainda é possível fazer pior e continuar no poder.
Se é possível levar a cabo com sucesso um programa de matança de cidadãos, não são os criminosos que estão no poder que são excessivamente brutais. É o povo que é excessivamente cúmplice na transformação da nossa sociedade numa coutada de caça e canibalização do outro. Estamos a ensinar aos mais novos que a única alternativa para a diferença é a eliminação do outro. É o legado que estamos a transmitir, porque estes mais novos só ouvem notícias dos assassinatos a tiro e nunca ouvem notícias da captura dos responsáveis, tal como nunca viram nem ouviram qualquer detentor da autoridade do Estado a ser implacável com os assassinatos em série. Não existem referências de que o Estado é implacável contra a canibalização. O que temos para apresentar é um Estado como instrumento de protecção e fomento de actos criminosos. Insistimos que, enquanto o povo não se mobilizar para bloquear estes assassinos, não estaremos apenas a abster-nos de defender a normalidade, muito mais do que isso, estaremos, nada mais e nada menos, a concordar com eles. É esta apatia colectiva que inspira os que estão no poder para prosseguirem com o programa de estrangulamento. O mais recente foi Jeremias Pondeca, e não haverá responsabilização. E, por falar em responsabilização, é mais provável acontecer que venha a haver mais uma outra vítima do que acontecer que os culpados nos sejam apresentados. A seguir, quem será? É preciso dizer “Basta!”.
(Editorial, Canalmoz/ Canal de Moçambique)

Nyusi nomeia “empresária” para ministra dos Recursos Minerais e Energia

O Presidente Filipe Jacinto Nyusi nomeou, nesta segunda-feira(17), Letícia Klemens para o cargo de ministra dos Recursos Minerais e Energia. A nova titular, de um dos pelouros mais estratégicos para o futuro do nosso País, é uma ilustre desconhecida do aparelho do Estado e das lides partidárias da Frelimo. Licenciada em Ciências Jurídicas, pelo Instituto Superior Politécnico Universitário de Maputo, o maior mérito da substituta do Pedro Couto(exonerado no passado dia 29) é ser sócia de parentes e pessoas próximas aos três anteriores Presidentes de Moçambique e de Alberto Chipande.
Se o antigo Presidente Armando Guebuza hipotecou as futuras receitas que o gás natural existente na bacia do Rovuma deverá gerar daqui há mais de cinco anos – endividando ilegalmente o País - o actual Chefe de Estado está rendido aos interesses empresariais em torno dessa indústria que ainda vai surgir.
A exoneração de Pedro Couto (e acantonamento na Hidroeléctrica de Cahora Bassa) sem nenhum motivo, plausível ou não, indiciou que Nyusi havia sido pressionado na decisão, quiçá pelas empresas norte-americanas com quem o Presidente se avistara dias antes.
Couto é apontado como um funcionário público íntegro, que galgou no aparelho de Estado graças aos seus méritos profissionais, sem “empurrões” partidários e que estaria a analisar minuciosamente demais os processos que culminarão com o início da exploração do gás no Norte de Moçambique.
A escolha da sua sucessora deixa evidente que Filipe Nyusi foi “sensibilizado” pelos lobbys empresariais do partido Frelimo que estão ávidos por obter mais ganhos pessoais e pouco se importam com o desenvolvimento sustentável de Moçambique.
Letícia Deusina da Silva Klemens tem 44 anos de idade, além da licenciatura em Ciências Jurídicas não tem nenhuma outra formação académica relevante. Até a data da sua nomeação desempenhava as funções de presidente da mesa da assembleia geral do maior banco e Moçambique, o Millennium BIM, e também da desconhecida associação das mulheres empresárias e empreendedoras moçambicanas.
Mais relevantes são os parceiros comerciais da nova titular dos Recursos Minerais e Energia. Em 2010 associou-se a um sobrinho do antigo Chefe de Estado Armando Guebuza, Miguel Nhaca Guebuza, e ao marido de uma das filhas de Guebuza, Tendai Mavhunga, na empresa Beta Holding - Business And Technology Aplications, Limitada.
No ano seguinte Letícia Klemens, que é divorciada, associou-se com o filho primogénito do falecido Presidente Samora Machel, Samora Moisés Machel Júnior, e ainda com o filho de Alberto Chipande, Nkutema Namoto Alberto Chipande, na empresa +258 Limitada. Fazem ainda parte da sociedade um sobrinho da esposa de Armando Guebuza, Joaquim Tobias Dai, e um parceiro de negócios da filha do antigo Presidente Joaquim Chissano, Jaime de Jesus Irachande Gouveia que é sócio de Martina Chissano.
Os interesses empresariais do sócios de Letícia Klemens, assim como dos seus familiares e parceiros, estendem-se do gás passando pela indústria extrativa até ao sector de energia.
Mas a nova titular dos Recursos Minerais e Energia não será a única membro do Governo em eventual conflito de interesses, os ministros Carlos Mesquita e Celso Correia também mantêm a sua actividade empresarial paralelamente às responsabilidades de servidores públicos.

Almiro Lobo desmente acusação dos advogados do Benfica em relação à foto da capa do

Clube português acusa autor moçambicano de usar indevidamente imagem de Eusébio

No dia 22 de Setembro, o professor universitário Almiro Lobo era uma das pessoas mais felizes do mundo. Não devia ser diferente, afinal, era o lançamento do seu livro. Mas o seu semblante alegre era também movido pelo facto de aquela ser a sua primeira aventura no universo das crónicas e por contar as peripécias vividas desde a infância até aos dias mais recentes.
“Aquilo que eu fiz neste livro foi escrever crónicas da minha memória… quando senti que tinha um número razoável de crónicas, aproximei à Alcance Editores e perguntei se aquilo que tinha escrito fazia sentido publicar em livro”, contou Almiro Lobo, mas já se tinha apagado semblante do dia 22.
Juntamente com Sérgio Pereira, da Alcance Editores, Lobo reagia, na manhã de hoje, pela primeira vez, a acusação do clube Sport Lisboa e Benfica, de Portugal. O clube português proibiu a venda do seu mais recente livro, O berlinde com Eusébio lá dentro, alegando que a foto da capa é do antigo futebolista Eusébio e que foi usada sem autorização.
O autor desmente a acusação e entende ser um atentado ao seu bom nome e reputação.
“Este menino que está aqui na capa (apontava a foto da capa do seu livro) é meu filho, chama-se Bruno José de Pires Lourenço Lobo. A carta dos advogados do Benfica diz que este menino que está aqui na capa é Eusébio da Silva Ferreira. Como quem acusa é que tem que provar, os advogados do Benfica vão ter que provar que meu filho não é meu filho e que eu sou pai do Eusébio da Silva Ferreira. Quero lembrar que quando Eusébio da Silva Ferreira partiu de Moçambique eu tinha cerca de 1 ou 2 anos de vida. Eu sou cidadão moçambicano e sinto que a acusação do Sport Lisboa e Benfica é um atentado ao meu bom nome e minha reputação.


Pobreza extrema em Moçambique

Um relatório divulgado no início de outubro pelo Banco Mundial coloca Moçambique entre os dez países do mundo com maior proporção de pobreza e com maior número de pobres. Segundo o documento, o país tem pelo menos 15 milhões de pessoas a viver em pobreza extrema, o equivalente a quase 60% da população moçambicana. No Índice Global da Fome de 2016 Moçambique também aparece na lista das 50 nações com as piores taxas, na 15ª posição.
O país carece d
e programas que incentivem atividades básicas como a pesca e a agricultura, afirma o representante da Liga das Organizações Não-Governamentais de Moçambique, Manuel do Rosário.
"Sabemos que grande parte da comunidade é pobre e vive basicamente da prática da agricultura e, em algumas zonas, da pesca. E não há programas que impulsionem estas atividades."
De acordo com Manuel do Rosário, esses programas "são substituídos pela dinâmica capitalista", que é "dominada pela exploração de recursos naturais, focalizados na exploração do gás e petróleo, entre outras fontes, que geram dinheiro mas não beneficiam necessariamente as comunidades locais."

Conflito político-militar prejudica desenvolvimento
Além disso, Manuel do Rosário aponta o conflito político-militar vivido nos últimos anos como outro obstáculo ao desenvolvimento em Moçambique.
Os confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança moçambicanas e homens armados do maior partido da oposição, a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) "desencorajam o investimento, a mobilidade humana, a transação de bens e os serviços. Grande parte das pequenas e médias empresas em diversas províncias estão a quebrar por conta não só do problema da dívida pública, mas também por causa da instabilidade político-militar. Não dá garantias para investimentos privados, públicos ou qualquer outra parceria para o desenvolvimento."
O representante da Liga das ONG em Moçambique sublinha que a questão da pobreza não pode ser dissociada da soberania do Estado. Segundo Manuel do Rosário, "o respeito das leis, da Constituição da República e a questão da inclusão são elementos fundamentais para as estretégias dedesenvolvimento do país."


Monday, 17 October 2016

"Comité de Emergência para a Liberdade de Imprensa e de Expressão em Moçambique”

- Comunicado de Lançamento – 

O actual contexto político, social e económico que Moçambique vive, tem vindo a colocar em risco o exercício das liberdades de imprensa e de expressão, consagrados no artigo 48º da Constituição da República de Moçambique, implantando o clima de medo e de coação dos profissionais de comunicação social.
As causas mais graves que têm sido fundamentais para alimentar o ambiente de crescimento de predadores das liberdades de imprensa e de expressão, em Moçambique, são as seguintes:
1. A guerra em curso entre o Governo e a Renamo resultante da intolerância política, da cultura autoritária e da falta de diálogo franco entre as elites políticas nacionais;
2. A escalada da violência, a sofisticação do crime organizado e sem rosto (manifesto nos raptos, baleamentos e assassinatos), perante uma Polícia incapaz de explicações e de acções eficazes para providenciar a segurança e tranquilidade públicas;
3. A crise económica e financeira que assola o País como resultado das chamadas dívidas ocultas consubstanciadas na corrupção e falta de transparência que levaram à suspensão da ajuda financeira ao Orçamento do Estado pelos parceiros de cooperação de Moçambique e à descredibilização do País;
4. A instauração de um estado policial e altamente intimidatório, promovido por acções das Forças de Defesa e Segurança e da Procuradoria-Geral da República, que têm vindo a alimentar o silenciamento da diversidade de opiniões e das liberdades de expressão, através de perseguições, ameaças, processos judiciais a jornalistas e cidadãos que, com a sua participação no espaço público de debate, buscam contribuir para um Moçambique melhor.

5. A subida dos níveis de manipulações, mentiras e propaganda, a institucionalização do ódio, do boato, do racismo, do tribalismo e do regionalismo, por grupos de manipuladores de opinião pública, para controlarem os espaços livres de debate, diabolizarem a diversidade de opinião, e com o fim de criar a monotonia do debate público.
É em pleno reconhecimento de que as liberdades de imprensa e de expressão são um Direito Constitucional, uma conquista resultante de uma luta iniciada pela classe da comunicação social que, perante este contexto de eminente degradação e coaptação, foi criada esta plataforma designada “Comité de Emergência para a Liberdade de Imprensa e de Expressão em Moçambique”.
Este Comité tem como missão e agenda principal garantir que no quadro contextual que o País atravessa, as liberdades de imprensa e de expressão continuem a serem salvaguardadas, garantindo que a todos os cidadãos seja permitida a expressão livre de ideias, pensamentos e participem - sem controlo, medo e ameaças – nos principais fóruns de debate sobre os caminhos que o País deve trilhar. É entendimento do Comité que as opiniões não devem ser consideradas como válidas, somente, quando emitidas por um grupo de cidadãos que fazem parte de movimentos políticos ou partidos políticos dominantes.
Inicialmente, este comité não se constitui como uma organização. É, sim, uma acção de organizações e personalidades defensoras das liberdades de imprensa e de expressão.
Este Comité propõe-se a desenvolver as seguintes acções:
✓ Vigiar, documentar e denunciar os mecanismos, cada vez mais sofisticados, de predação contra as liberdades de imprensa e de expressão, que têm vindo a tomar lugar em Moçambique;
✓ Apoiar, juridicamente, e proteger os jornalistas e cidadãos individuais que, no exercício do direito constitucional de liberdade de expressão e de imprensa, são vítimas de perseguições, violência física ou psicológica;
✓ Produzir e implementar uma agenda pública que coloque a liberdade de imprensa e de expressão como o baluarte dos passos que Moçambique deverá trilhar para retirar-se da letargia em que se encontra;
✓ Promover o uso responsável das liberdades de imprensa e de expressão, assim como lutar pela responsabilização civil e criminal dos seus predadores;
✓ Interagir com entidades relevantes, a nível nacional e internacional, visando promover e proteger as liberdades de imprensa e de expressão;
✓ Emitir uma luz de esperança aos moçambicanos sobre as potencialidades do crescimento da democracia, num contexto em que as práticas antidemocráticas tendem a ganhar lugar.
O “Comité de Emergência para a Liberdade de Imprensa e de Expressão em Moçambique” irá engajar continuamente a todos nas suas actividades.
Convidamos a todos os defensores das liberdades de expressão e da imprensa a darem as suas contribuições para o sucesso desta acção cívica, usando todos meios de que dispõe para o bem da democracia.

Maputo, 17 de Outubro de 2016
Os membros do Comité:
1. Borges Nhamire 
2. Ericino de Salema
3. Erik Charas
4. Ernesto Nhanale
5. Fátima Mimbire
6. Francisco Carmona 
7. Gilberto Mendes
8. Jeremias Langa
9. Lázaro Mabunda
10. Luís Nhachote
11. Matias Guente
12. Salomão Moyana
13. Fernando Lima
14. Andre Catueia
15. Antonio Zefanias